fbpx Especialista fala sobre a febre em pessoas com a Covid-19 | S.O.S Vida - Inovando em Saúde
Conheça a S.O.S Vida
Apresentação / Vídeo Institucional Nossa Equipe Núcleo Científico Conceito Linhas de Pesquisa Orientação para Pesquisadores Produções Prata da Casa Artigos / Estudos Certificação de Qualidade
Home Care
O que é Home Care Fluxograma do Home Care Vantagens do Home Care Legislação Acreditação Perguntas Frequentes
Saiba Mais
Artigos Dicas Informativos Notícias
Contato
Ouvidoria Trabalhe Conosco Contato
30 MAIO 2020

A febre é um dos sintomas mais recorrentes em pessoas infectadas pelo novo coronavírus, manifestando-se na maioria dos casos.

Contudo, a manifestação desse sintoma não está restrita aos casos de Covid-19. Sendo um mecanismo de defesa do próprio organismo, a febre é uma das repostas do corpoo a um possível invasor (vírus ou bactérias).

Em entrevista ao telejornal Bom Dia Sergipe, Dr. Matheus Todt, médico infectologista da S.O.S. Vida, falou sobre alguns aspectos desse sintoma e que precisam ser observados caso o indivíduo apresente febre durante esse período.

“A febre é um mecanismo de defesa do organismo frente a algo que é estranho ao organismo. Esse aumento de temperatura é uma tentativa de tornar o meio menos adequado para um possível invasor” explicou.

Dr Matheus Todt explicou sobre a febre e Covid-19

Assista à matéria completa no site do Bom Dia Sergipe: Médico fala sobre a febre em pessoas com a Covid-19

CARACTERÍSTICAS DA FEBRE

Normalmente, a temperatura interna do corpo fica entre 36,5 ºC e 37,5 ºC. Considera-se febre a elevação da temperatura do corpo a pelo menos 37,8 ºC.

Esse quadro febril costuma se manifestar nas infecções por vírus sazonais, como os da gripe, que por sua vez possui sintomas parecidos com os apresentados pelo novo coronavírus.

Porém, Dr. Matheus Todt explica que outras causas podem, também, ativar esse mecanismo, como é o caso das doenças inflamatórias, doenças do sistema nervoso e sequelas provocadas por traumas na região cerebral, responsável por regular a temperatura do corpo.

Nesse sentido, o infectologista alerta que não se deve assumir que se tem a infecção pelo novo coronavírus apenas pela presença de um quadro febril. Nos casos de infecção pela Covid-19, a manifestação da febre normalmente é acompanhada por outros sintomas, como a tosse seca, inapetência e dores no corpo.

“E mesmo assim, a gente não pode, infelizmente, achar que por estar com febre e tosse, necessariamente eu estou com coronavírus. O quadro febril da Covid é um quadro muito genérico, posso atribuir a muitas outras viroses. […] O que chama atenção e o que deve alertar bastante a população é, principalmente, se essa febre mantém-se elevada – a despeito do uso de medicamentos pra febre –, e se há o aparecimento de cansaço, o cansaço respiratório. alerta o infectologista.

COMO LIDAR COM A FEBRE?

Nos casos onde a febre se manifestar de forma branda, o ideal é optar por medidas de resfriamento do corpo que dispensem o uso de remédios, como tomar um banho, ingerir líquidos para evitar a desidratação e utilizar roupas leves. O ideal é sempre evitar abuso de qualquer medicamento.

“Nem todo quadro que cursa com febre é um quadro grave, que merece uma ida ao hospital. Principalmente agora, que a gente tem encontrado uma sobrecarga dos hospitais. Mas se a gente ver que essa febre é uma febre mais alta, acima de 38,5 ºC, e ela está mantendo ao longo dos dias, mesmo com o uso de antitérmicos, essa situação merece ser avaliada por um médico”.

O médico explica que a maioria dos quadros de infecção pelo coronavírus são quadros com pouco ou nenhum sintoma. Porém, em casos onde a febre se mantém e é acompanhada por uma falta de ar, ele aconselha a procura por atendimento médico, pois esses são os principais sinais de alerta pra um possível quadro delicado da Covid-19.

Dicas para lidar com a febre

Beba bastante água – Mantenha-se hidratado para compensar a perda de líquidos durante a febre.  Além disso, a água auxilia na regulação térmica do corpo;

Alimente-se – Opte por alimentos leves e de fácil digestão

Busque repouso – Descanse e evite sobrecarregar o corpo com atividades exaustivas

Ajude a diminuir a temperatura do corpo – Retire o excesso de roupas, busque um lugar arejado, faça compressas frias usando toalhas úmidas ou bolsa térmica no tronco e membros e tome banho (evite água gelada).

Leia também: 5 dicas para baixar a febre

Covid-19: Entendendo os sintomas

Febre, tosse, desconforto respiratório, coriza. Todos esses são sintomas de gripe, mas também podem indicar a contaminação pelo novo coronavírus.

A Covid-19 tem quadros parecidos com diversas outras infecções respiratórias, por isso é muito difícil faz o diagnóstico clínico da doença.

Em tempos nos quais ir à emergência de um hospital ou a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) sem necessidade pode ser um risco de contaminação para as pessoas, é importante ter ideia de quanto é necessário buscar atendimento hospitalar e como funciona a evolução da patologia.

Para esclarecer sobre esse tema, o médico infectologista da S.O.S. Vida, Matheus Todt, falou sobre “Gripe, Resfriado e Covid-19: Sintomas e Cuidados”, durante a Semana do Cuidado na Atenção Domiciliar.

Assista ao vídeo completo da palestra:

Os riscos associados a hábitos do cotidiano

Dr. Matheus Todt foi entrevistado pelo jornalista Daniel Aloísio, do Jornal Correio, e comentou sobre a retomada das atividades e dos riscos que precisam ser observados nesse momento de flexibilização.

Cada atividade oferece um grau de risco, que está diretamente ligado ao número de pessoas no mesmo ambiente e a necessidade do contato com superfícies. Quando maior for esses dois aspectos, maior será o risco de exposição e, consequentemente, de contaminação. Conforme explica Dr. Matheus.

“Os hábitos de reunião [presencial] deveriam ser os últimos a voltar. Colocar gente no mesmo ambiente fechado só tem menos perigo do que estar num show, onde as pessoas ficam bem próximas”.

Confira o infográfico que destaca os riscos de contágio associado a atividades do cotidiano.

Confira o infográfico que destaca os riscos de contágio da Covid-19 associado a atividades do cotidiano - produzido em parceria com o infectologista Matheus Todt
Leia a matéria completa: COVID-19 – Os riscos associados a hábitos do cotidiano

AUTOCUIDADOS (OMS)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) traz algumas indicações de medidas de auto cuidado caso apresente sintomas da Covid-19:

Se apresentar algum dos sintomas, você deve descansar, beber bastante líquido e comer alimentos nutritivos.

Fique em um quarto separado dos outros membros da sua família e use um banheiro dedicado, se possível.

Limpe e desinfete as superfícies tocadas com frequência.

Todos devem manter um estilo de vida saudável em casa. Mantenha uma dieta saudável, tenha uma boa noite de sono, permaneça ativo e mantenha o contato social com quem você ama através do telefone ou do Internet.

As crianças precisam de mais amor e atenção dos adultos durante este momento difícil. Mantenha a rotina e os horários regulares o máximo possível.

É normal sentir-se triste, estressado ou confuso durante uma crise. Conversar com as pessoas em quem você confia, como amigos e familiares, pode ajudar. Se você se sentir sobrecarregado, fale com um médico ou psicólogo.

Empresa Acreditada:

Joint Commission International (JCI)

NEWSLETTER
ONDE ESTAMOS
SALVADOR - BA
Av. Dom João VI, 152, Brotas, CEP: 40.285.001
Salvador - Bahia - Brasil
71 3277 8004
ARACAJU - SE
Rua Itabaiana, 952, São José, CEP: 49.015.110
Aracaju - Sergipe - Brasil
79 3712 7904
BRASÍLIA - DF
SHN Quadra 02, nº 87, Bloco F, Sala 818
Ed. Executive Office Tower – Asa Norte, CEP: 70.702.000
Brasília - Distrito Federal - Brasil
61 3771 5490
© Todos os Direitos Reservados - S.O.S VIDA