fbpx Vacina Covid-19: Infectologista estima até seis meses para frear a pandemia | S.O.S Vida - Inovando em Saúde
Conheça a S.O.S Vida
Apresentação / Vídeo Institucional Nossa Equipe Núcleo Científico Conceito Linhas de Pesquisa Orientação para Pesquisadores Produções Prata da Casa Artigos / Estudos Certificação de Qualidade
Home Care
O que é Home Care Fluxograma do Home Care Vantagens do Home Care Legislação Acreditação Perguntas Frequentes
Saiba Mais
Artigos Dicas Informativos Notícias
Contato
Ouvidoria Trabalhe Conosco Contato
21 JAN 2021

Uma das notícias mais esperadas no último ano se tornou realidade: foi iniciada a vacinação contra a Covid-19.

A vacinação terá diversas etapas e deve se prolongar por alguns meses, por isso, é importante ficar alerta para que a população não relaxe nos cuidados de prevenção contra a doença, o que poderia levar a um aumento substancial dos casos.

O médico infectologista da S.O.S. Vida, Matheus Todt, aponta que a vacinação é muito importante no enfrentamento da pandemia e que o início da aplicação das doses é um grande passo.

Ele alerta, porém, que, além do fato da vacinação ser em várias etapas, pois depende da disponibilidade de doses e insumos, serão necessários alguns meses para que ela ajude a frear o coronavírus.  

Vacina da Covid-19

Início da imunização

Para que o cenário de pandemia seja revertido, o infectologista avalia que serão necessários em torno de 4 a 6 meses. Isso porque é preciso, inicialmente, que cerca de 70% das pessoas que são grupo de risco estejam vacinadas. Além disso, o efeito imunizador das vacinas não é imediato.

“Demanda algum tempo. Se a vacina tem duas doses, por exemplo, a imunização é apresentada em até 15 dias depois da segunda dose. Ou seja, até que se vacine este percentual de pessoas e que todas estejam já apresentando imunidade, temos que ter em mente que nosso maior aliado no combate à Covid-19 ainda é o afastamento social e os cuidados de higienização, que devem continuar”, pontua.

Infectologista Matheus Todt

Matheus cita o exemplo do Reino Unido e da Alemanha, que após iniciar a vacinação adotaram medidas de restrição para assegurar o isolamento e evitar o contágio.

A vacinação começa pelos trabalhadores da saúde, população idosa com 75 anos ou mais, pessoas com 60 anos ou mais, que vivem em instituições de longa permanência, asilos ou instituições psiquiátricas e indígenas, aldeados e povos de comunidades ribeirinhas.

Até que a vacinação seja uma realidade para grande parte da população brasileira, as armas contra a Covid-19 continuam sendo as mesmas: lavar as mãos com frequência com água e sabão ou álcool em gel, usar máscara e, ao máximo possível, ficar em casa e evitar aglomerações.

Descuido com medidas de prevenção

Com a chegada do verão, as notícias de aglomerações nas praias, bares e festas, especialmente em localidades turísticas se tornaram mais recorrentes, resultando no aumento de casos de Covid-19.

A infectologista da S.O.S. Vida, Monique Lírio, afirma que a segunda onda na Europa já comprovou o que esse relaxamento das medidas de higiene e afastamento social pode gerar.

“Vimos que na Europa os casos começaram a baixar bastante em um determinado período. Como eles estavam próximos ao verão, as pessoas começaram a sair mais, viajar, e isso fez com que a Covid-19 voltasse fortemente em muitos países. Aqui no Brasil não chegamos nem a ter essa baixa substancial de casos, mas o que vemos é que muitas pessoas estão saindo e se comportando como se o vírus não estivesse mais circulando”, aponta.

Monique Lírio, infectologista

Monique salienta que é importante que, para além das medidas do poder público, as pessoas mantenham a responsabilidade individual de tomarem os cuidados indicados para controle da pandemia, protegendo a si mesmas e aos outros.

“A sensação que temos é que as pessoas perderam o medo da doença, mas é importante destacar que ela ainda está em um cenário muito grave e cabe a cada um não relaxar dos cuidados.

Estamos em um país no qual muitas pessoas são dependentes do transporte público e precisam de seu trabalho diário para sobreviver, por isso não podem deixar de sair. O problema é sair sem necessidade e fazer grandes aglomerações, sem cuidados como a lavagem das mãos e a máscara”, enfatiza.

Band News FM

O infectologista Matheus Todt conversou com a reportagem da Band News FM sobre as expectativas e cuidados em relação à vacina de Covid-19.

Ouça a matéria completa.

O que esperar da segunda onda?

Em dezembro os infectologistas Matheus Todt e Monique Lírio realizaram um debate, ao vivo no YouTube, sobre o momento da pandemia em Sergipe e na Bahia.

Questões ligadas a vacinação foram abordadas durante o evento. Confira ao vídeo completo.

Uma das perguntas dos internautas foi sobre quando voltaremos ao normal. Para Dr. Matheus não existe fórmula mágica.

“Não é porque vai começar a vacinação que tudo ficará bem. Primeiro, temos que alcançar um grande número de pessoas com um índice razoável de imunização, por volta de 60% da população para quebrar a corrente da pandemia”.

Segundo ele, o tempo médio que o organismo leva para gerar a imunidade varia de 7 a 14 dias. Só então vamos quebrar a cadeia de contágio e isso deve levar meses.

Dra. Monique lembrou que não basta ter a vacina. Existe toda uma logística de distribuição, armazenamento e treinamento de profissionais.

Sobre a periodicidade da vacinação, Dr. Matheus lembrou que todas as vacinas anunciadas preconizam em imunidade de 6 meses a um ano.

“Ainda não sabemos se precisaremos tomar duas doses ao ano. Infelizmente não temos um dado concreto. Temos também que levar em consideração a diferença entre eficácia e efetividade. Quando falamos em efetividade estamos falando do mundo real. Teremos que ter um tempo para avaliar se a carga de anticorpos ainda está boa depois de um ano”.

Nesse sentido, Dra. Monique lembrou que as máscaras ainda serão necessárias depois da vacina.

“Precisamos esperar para ver se o que os estudos apontam vai se reproduzir entre a população”.

Leia também: Covid-19- tire suas dúvidas sobre a vacinação

eBook – Vacinação Covid-19

Baixe o eBook esclarecendo as principais dúvidas sobre o processo de vacinação contra a Covid-19.

Vacina Covid-19: Infectologista estima até seis meses para frear a pandemia 1
Empresa Acreditada:

Joint Commission International (JCI)

NEWSLETTER
ONDE ESTAMOS
SALVADOR - BA
Av. Dom João VI, 152, Brotas, CEP: 40.285.001
Salvador - Bahia - Brasil
71 3277 8004
ARACAJU - SE
Rua Itabaiana, 952, São José, CEP: 49.015.110
Aracaju - Sergipe - Brasil
79 3712 7904
BRASÍLIA - DF
SHN Quadra 02, nº 87, Bloco F, Sala 820
Ed. Executive Office Tower – Asa Norte, CEP: 70.702.000
Brasília - Distrito Federal - Brasil
61 3771 5490
© Todos os Direitos Reservados - S.O.S VIDA