Conheça a S.O.S Vida
Apresentação / Vídeo Institucional Nossa Equipe Núcleo Científico Conceito Linhas de Pesquisa Orientação para Pesquisadores Produções Prata da Casa Artigos / Estudos Certificação de Qualidade
Home Care
O que é Home Care Fluxograma do Home Care Vantagens do Home Care Legislação Acreditação Perguntas Frequentes
Saiba Mais
Artigos Dicas Informativos Notícias
Contato
Ouvidoria Trabalhe Conosco Contato
19 MAIO 2020

Restrição de importação, redução de carga, barreiras sanitárias e reajustes dificultam compra de suprimentos durante enfrentamento do novo coronavírus.

Arauna Itaicy, coordenadora de suprimentos e logística da S.O.S. Vida, falou sobre o tema para o programa Multicultura da Rádio Educadora (BA).

“A pandemia de Covid-19 causou um grande impacto na cadeia de suprimentos em todo mundo, trazendo um imenso cenário de incertezas.  As empresas precisam adotar rapidamente soluções compartilhadas junto a equipe de assistência para um uso mais racional dos insumos, engajando e sensibilizando toda a equipe envolvida no processo”, sugere a coordenadora.

OUÇA A MATÉRIA COMPLETA

UMA OPERAÇÃO DE GUERRA

O crescimento da demanda e restrições fatores logísticos em todo o mundo colocam em risco o abastecimento de insumos médicos, principalmente os diretamente relacionados ao enfrentamento do novo coronavírus.

De acordo com a Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP), essa situação piora a todo instante. Levantamento realizado pela entidade em março apontou que as empresas de saúde brasileiras tinham um estoque médio de insumos hospitalares para 47 dias, antes da crise, o tempo era de 90 a 120 dias.

Comprar insumos como álcool gel, máscaras, luvas, óculos e roupas de proteção ficou mais caro e mais difícil com o início da pandemia. Esses itens são Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) fundamentais para reduzir o risco de contágio dos profissionais nos atendimentos a pacientes com sintomas da Covid-19.

“O risco de desabastecimento aumenta a todo instante”, diz o presidente da ANAHP, José Antonio de Lima. “Eu nunca vi uma crise como esta.”

Para Arauna Itaicy, a aquisição de EPIs virou uma operação de guerra que requer um planejamento de logística criterioso.

“São vários fatores que afetam a cadeia: dificuldade de importação, redução da carga aérea, barreiras sanitárias nas cidades, retenção de carga e reajustes absurdos, um cenário que reconhecemos como Mundo Vuca (Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo). É imprescindível criar um plano de contingência prevendo todas essas variáveis para que não ocorra uma ruptura, porque isso pode representar vidas que são perdidas por falta de material adequado para o atendimento”, destaca.

Com unidades em Salvador (BA), Aracaju (SE) e Brasília (DF), a S.O.S. Vida montou um mapa de criticidade para controlar o estoque de todos insumos.

“A tecnologia é nossa aliada nesse momento, já que a automatização do setor de suprimentos e logística permite um controle diário e ágil do nosso estoque, permitindo avaliar a previsibilidade, evitando compras desnecessárias e garantindo um monitoramento mais assertivo”, explica Arauna.

A coordenadora acrescenta que a empresa de Home Care também implementou o uso racional de EPIs e medicamentos, estimulando a desprescrição, processo de redução ou interrupção de drogas, que visa minimizar a polifarmácia e representa benefícios para o paciente.

Uso de EPIs no Home Care para suspeitos de Covid-19
Leia também o artigo de Arauna Itaicy publicado no portal da ANAHP : Desafios da Pandemia no abastecimento de insumos farmacêuticos

REAJUSTES NOS PREÇOS

O estoque do mercado interno foi absorvido pelos governos municipais e estaduais, limitando o acesso da rede privada de saúde a oferta importada, que também foi afetada pela pandemia. Com estoque restrito e alta procura, houve um crescimento significativo nos preços. A ANAHP constatou alta de mais de 500% em alguns itens.

Já o marketplace de insumos hospitalares Bionexo, que conecta hospitais a mais de 10 mil fornecedores, registrou um crescimento exponencial na procura por alguns insumos, como as máscaras e álcool em gel, 240% e 216%, respectivamente. Nesse momento de volatilidade da cadeia de suprimentos, itens de limpeza, higiene e alimentação também são afetados pela crise, exigindo melhores práticas de negociação.

Leia também: Coronavírus Recomendações sobre uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) na Atenção Domiciliar

ARTIGO NO JORNAL A TARDE

O Jornal A Tarde (BA) também publicou um artigo de autoria de Arauna Itaicy tratando sobre os desafios de manter o abastecimento de insumos médicos em meio a pandemia.

Confira o artigo “Desafios da Pandemia no abastecimento de insumos farmacêuticos” publicado no dia 20/05/2020.

Artigo Arauna Itaicy no Jornal A Tarde

A pandemia de Covid-19 trouxe um imenso cenário de incertezas, forçando governos e empresas em todo o mundo a iniciarem medidas de gestão de riscos. Uma das consequências visíveis foi a quebra da cadeia produtiva por conta do fornecimento irregular de insumos, trazendo transtornos para toda a população.

As instituições de saúde, envolvidas na linha de frente desse combate, estão sendo extremamente impactadas pelo desabastecimento de insumos farmacêuticos, material médico e EPIs. Além disso, a escassez no mercado aliada aos impactos logísticos acarretaram um aumento de custo na aquisição, forçando os gestores a avaliarem seus planos e números constantemente.

Impossibilidade de importação da matéria prima, redução da carga aérea, excesso de cargas paradas em portos, suspensão de voos internacionais, apreensão de cargas e as práticas duras de negociação – impondo condição de pagamento à vista e assombrosos e constantes reajustes de preço – e a nossa realidade atual.  O conceito de “Mundo Vuca” faz cada vez mais sentido em meio a essa “operação de guerra” que tomou nosso cotidiano. A expressão faz referência a cenários desafiadores que trazem as características de serem Voláteis, Incertos, Complexos e Ambíguos (em inglês Volatility, Uncertertainty, Complexity, Ambiguity).

Essa situação está presente em todo o sistema de saúde, dos hospitais a empresas de home care, impactando no atendimento de pacientes atuais e futuros, podendo contribuir para o aumento no número de mortes. Uma fatalidade imensurável, já que vidas não tem preço.

Diante desta realidade, se faz necessário implementarmos, em uma ação conjunta dos processos de logística e assistência, uma série de “respostas rápidas” que de fato agreguem valor: evitar desperdício, adequar políticas e desenvolver plano de criticidade para todas as categorias de insumos.

Na elaboração do plano de criticidade devem ser previstos gatilhos e ações compartilhadas que sensibilizem a equipe da assistência ao uso racional de insumos farmacêuticos para pacientes assistidos, com iniciativas claras e ordenadas através de ferramentas que direcionem maior objetividade para operacionalização da equipe.

O momento é oportuno para avaliar e aplicar novas condutas de cuidados, como a desprescrição, onde o profissional da assistência pode envolver pacientes e familiares, alertando sobre a importância do uso racional de insumos e da adoção de outros medicamentos disponíveis no mercado com mesma eficácia terapêutica.

A condução, sendo feita com transparência e cuidado, apresentando os riscos atuais e sensibilizando do que de fato agrega valor para o tratamento dos pacientes, deve contribuir para alcançarmos uma situação de menos instabilidade no enfrentamento da pandemia.

Empresa Acreditada:

Joint Commission International (JCI)

Empresa afiliada:

Associação Nacional de Hospitais Privados Anahp

NEWSLETTER
ONDE ESTAMOS
SALVADOR - BA
Av. Dom João VI, 152, Brotas, CEP: 40.285.001
Salvador - Bahia - Brasil
71 3277 8004
ARACAJU - SE
Rua Itabaiana, 952, São José, CEP: 49.015.110
Aracaju - Sergipe - Brasil
79 3712 7904
BRASÍLIA - DF
SHN Quadra 02, nº 87, Bloco F, Sala 818
Ed. Executive Office Tower – Asa Norte, CEP: 70.702.000
Brasília - Distrito Federal - Brasil
61 3771 5490
© Todos os Direitos Reservados - S.O.S VIDA