Conheça a S.O.S Vida
Apresentação / Vídeo Institucional Nossa Equipe Núcleo Científico Conceito Linhas de Pesquisa Orientação para Pesquisadores Produções Prata da Casa Artigos / Estudos Certificação de Qualidade
Home Care
O que é Home Care Fluxograma do Home Care Vantagens do Home Care Legislação Acreditação Perguntas Frequentes
Saiba Mais
Artigos Dicas Informativos Notícias
Contato
Ouvidoria Trabalhe Conosco Contato
29 JUL 2015

AIDS

Pacientes com a doença podem ser tratados em Home Care

Jovens e idosos estão cada vez mais expostos ao vírus da AIDS por razões diversas. Os primeiros porque não costumam usar preservativo em todas as relações sexuais e os idosos pela falta de costume de usar o preservativo, uso de medicamentos que melhoram a performance sexual e o acesso mais fácil ao sexo. Segundo a médica infectologista da S.O.S. Vida, Áurea Angélica Paste, o número de pessoas infectadas tem aumentado tanto no serviço público como nos consultórios particulares. “Tenho casos novos de pessoas descobrindo serem portadores do HIV semanalmente”, diz a médica.

Segundo ela, muitas vezes a pessoa se contaminou há muitos anos e como estava sem sentir nada, não sabia que tinha o vírus. “A outra causa é que as pessoas continuam a não se proteger durante a relação sexual”, alerta, reforçando que o mais importante é todo mundo se proteger e solicitar o exame do HIV periodicamente.

Com relação aos jovens, ela ressalta que os pais precisam conversar mais com os filhos sobre a necessidade da prevenção, usando preservativo sempre. A médica acredita que, de uma maneira geral, as pessoas estão mais descuidadas em relação à doença. “O fato de a AIDS ter se tornado uma doença crônica e o acesso fácil ao coquetel, para tratamento e para a prevenção, diminuiu o impacto geral e o medo”. Mas ela lembra que mesmo com o controle da doença, é melhor não ter a doença e investir na prevenção.

No que diz respeito ao tratamento, a médica ressalta que quando a pessoa tem o HIV e descobre logo, sem ficar doente, ela não vai precisar se internar. O acompanhamento médico e o inicio do coquetel, logo que for indicado, vai permitir que essa pessoa viva normalmente como qualquer outra sem a doença. “Mas em algumas situações a pessoa fica muito doente e só depois descobre que tem o HIV, nesses casos, e dependendo do tipo de doença e do tipo de sequela, ela pode precisar de Home Care. A S.O.S.Vida tem pacientes e condições de atender esse tipo de doença”, diz a médica.

Com relação à terapêutica, Áurea Paste diz que atualmente já se fala em cura funcional da AIDS, o que significa que quem tem o HIV e inicia o tratamento precocemente com coquetel tem chance de ter o seu sistema imunológico ainda preservado e com o tempo, ainda em pesquisas, os pacientes podem ficar sem a medicação e não apresentar doença oportunista porque a imunidade está intacta.

Outra perspectiva, ainda para quem tem o HIV, é o uso de medicamentos que acordam as células onde o vírus se esconde, esses vão para a corrente sanguínea e o coquetel os elimina. Desse modo não há reservatório e com o tempo a pessoa fica livre do HIV. Os estudos ainda estão em andamento.

Principais sintomas da doença

Cerca de 50 a 70% das pessoas que adquirem o HIV após 4 a 6 semanas apresentam a síndrome retroviral aguda (febre, dor no corpo, dor de garganta, dor de cabeça, ínguas entre outros), mas como melhora espontaneamente, passa despercebido e não se faz o diagnóstico. Após esse momento a pessoa fica sem sentir nada por muitos anos (nesse caso ele é HIV positivo, tem o vírus mas não tem sintomas). Após os anos passando (e esse tempo varia 4, 5, 10, 15 anos), o paciente começa a apresentar sintomas inespecíficos que podem ir piorando: fraqueza, indisposição, perda de apetite, perda de peso, diarreia, ínguas no pescoço, dermatite seborréica de difícil controle, febre, lesões de pele e pode apresentar doenças que demonstram que a imunidade esta muito baixa e/ou as doenças oportunistas como herpes zoster, pneumonia, meningite, tuberculose, entre outras. Nessa fase o paciente tem AIDS.

Formas de prevenção

Usar o preservativo em todo o tipo de relação sexual (vaginal, anal, oral) e evitar a promiscuidade sexual (quanto mais se expõe mais risco de adquirir doenças, não só a AIDS, mas também sífilis, HPV, gonorreia, hepatite B, clamídia, entre outras);

Não usar drogas de nenhum tipo (maconha, cocaína, crack não são injetáveis mas a dependência deixa a pessoa sem percepção do risco, a pessoa passa a utilizar o sexo para conseguir a droga, além de a droga fragilizar o sistema imunológico);

Cuidar da saúde de modo geral, se alimentando bem, com alimentos saudáveis, fazendo atividade física, trabalhando no que gosta, se divertindo, tendo amigos e pelo menos uma vez no ano fazer um check-up com seu médico e nesse momento pedir a ele que solicite os exames de HIV, hepatite B e C, sífilis. Muitas doenças ficam silenciosas por muitos anos e só é feito o diagnóstico com os exames específicos.

Empresa Acreditada:

Joint Commission International (JCI)

Empresa afiliada:

Associação Nacional de Hospitais Privados Anahp

Empresa afiliada:

Nead

NEWSLETTER
ONDE ESTAMOS
SALVADOR - BA
Av. Dom João VI, 152, Brotas, CEP: 40.285.001
Salvador - Bahia - Brasil
71 3277 8004
ARACAJU - SE
Rua Itabaiana, 952, São José, CEP: 49.015.110
Aracaju - Sergipe - Brasil
79 3712 7904
BRASÍLIA - DF
SHN Quadra 02, nº 87, Bloco F, Sala 818
Ed. Executive Office Tower – Asa Norte, CEP: 70.702.000
Brasília - Distrito Federal - Brasil
61 3771 5490
© Todos os Direitos Reservados - S.O.S VIDA