Conheça a S.O.S Vida
Apresentação / Vídeo Institucional Nossa Equipe Núcleo Científico Conceito Linhas de Pesquisa Orientação para Pesquisadores Produções Prata da Casa Artigos / Estudos Certificação de Qualidade
Home Care
O que é Home Care Fluxograma do Home Care Vantagens do Home Care Legislação Acreditação Perguntas Frequentes
Saiba Mais
Artigos Dicas Informativos Notícias
Contato
Ouvidoria Trabalhe Conosco Contato
21 MAR 2017

Autor de mais de 60 livros nas áreas de Teologia, Ecologia, Espiritualidade, Filosofia, Antropologia e Mística, o professor Leonardo Boff irá proferir a palestra de encerramento da III JONAD (Jornada Nacional de Atenção Domiciliar), que será realizada no dia 26 de maio, a partir das 8h30, no Hotel Sheraton, em Salvador. O evento, que vai reunir especialistas de todo o Brasil para abordar o tema “Ensaios para o futuro: Cultura e inovação no cuidado domiciliar”, é uma promoção da S.O.S. Vida, pioneira em internação domiciliar na Bahia.

 

Em entrevista exclusiva, Leonardo Boff reflete sobre o tema que vai abordar em sua palestra, cujo tema é “O desafio ético do cuidar na sociedade contemporânea”. Acompanhe a seguir.

 

1- Fale um pouco sobre o desafio ético do cuidar na sociedade contemporânea.

Há uma tradição filosófica que vem do tempo do imperador Augusto, atravessou toda a antiguidade, culminando no grande filósofo Martin Heidegger que dizem que a essência do ser humano e tudo o que vive é o cuidado. Se não tivesse havido cuidado no momento da gestação ou germinação de qualquer ser vivo, ele não teria condições de sobreviver. Tudo o que vive, tudo que é importante como a vida, o amor, a família, a casa e a convivência social devem ser cuidados. Caso contrário, abandonados, vão degenerando até desaparecer. Hoje nos damos conta de que a Casa Comum, a Mãe Terra, precisa ser cuidada, de outra forma será profundamente afetada pela agressividade do processo produtivo depredador de seus bens e serviços, sempre escassos, que vão diminuindo até afetar a vida de todos. Por isso a encíclica do Papa Francisco coloca como sub-título de sua encíclica Laudato Si a expressão “sobre o cuidado da Casa Comum”. Isso vale mais diretamente à sociedade contemporânea. Ela é vítima da cultura do capital que tem por objetivo acumular mais e mais, sacrificando os trabalhadores e o ecossistema, orientando-se pela competição sem pensar na cooperação; é individualista e tem pouco sentido pelo social. Grande parte do que se produz hoje termina no lixo. A consequência é uma sociedade cheia de tensões, conflitos e criminalidade. Falta o cuidado generalizado. O cuidado é uma relação não agressiva para com o outro e para com a natureza. É um gesto amoroso que protege e produz paz. Tudo o que amamos também cuidamos. Tudo o que cuidamos também amamos: a pessoa amada, a família, a sociedade, o meio ambiente e até as relações internacionais.

 

2- O cuidado (com o outro) é uma arte ou uma técnica?  

O cuidado, como parte essencial de cada ser vivo e do próprio ser humano, é antes de tudo uma arte, um modo de relação que se preocupa com o outro, o acolhe e convive pacificamente com ele. O cuidado é a ética natural das mães, do corpo médico e da enfermagem. Além de expressar naturalmente cuidado, aprofundam também técnicas para que o cuidado para com o paciente seja eficaz. Isso vale também para o mundo da técnica. Temos que ter cuidado ao manejar os instrumentos, pois podem se danificar ou podem nos ferir. Fala-se então da importância da prevenção, outra palavra para o cuidado como técnica a ser aprendida e incorporada à arte natural de cuidar de tudo o que nos cerca.

 

3- De que forma uma postura ética pode contribuir para uma melhor assistência em saúde?

A ética tem a ver com a prática justa e correta, aquela que é mais adequada ao objeto de nossa ocupação e preocupação. Se alguém se propõe como projeto de vida de ser sempre correto, de fazer o certo, esse vive uma atitude ética. Como se depreende, a ética é mais que normas e simples valores, é uma arte de viver que coloca no centro o que tem a ver com a vida bem conduzida e bem realizada. Quem vive tal propósito, vive eticamente e tem como consequência uma prática médica ou de cuidados primários responsável e humanizadora. Não devem ser menosprezados os instrumentos técnicos de que dispõe hoje a medicina. Mas eles não substituem o contato direto com o paciente, dar-lhe atenção, compreensão de seu sofrimento e a capacidade de senti-lo; auscultá-lo, tocá-lo, atos que dão a sensação de que somos humanos.

 

4- A assistência domiciliar pode ajudar na recuperação de pessoas doentes? 

Creio que nada é mais curativo do que o amor, o aconchego do lar, a presença cuidadosa dos familiares e dos amigos. É triste ver as pessoas morrerem sob ferros, sob tubos e outros instrumentos que prolongam a vida, na solidão de uma UTI. Sou da opinião de que devemos aceitar a morte como parte da vida. Devemos respeitar o curso natural da vida que chega à morte. Isso vale especialmente quando a doença é terminal. É melhor os familiares combinarem com os médicos, fazerem um acordo até por escrito (para evitar problemas judiciais de ética médica) para que a pessoa, com seu consentimento e dos responsáveis por ela, possa morrer em casa, cercada do carinho e do cuidado dos parentes. Segurar-lhe a mão, falar-lhe ao ouvido palavras consoladoras que a levam para uma entrega ao desígnio de Deus que a está esperando de braços abertos. Para mim não há palavra mais consoladora do que aquela que está na primeira carta de São João que diz: “Se teu coração te acusa, saiba que Deus é maior que teu coração”. Ele quer que a misericórdia prevaleça sobre a justiça porque, como diz o salmo 103, “Ele sabe do pó de que somos feitos, e não está nos acusando todo o momento” e sua misericórdia não tem limites. Tais atitudes fazem com a pessoa se despeça da vida agradecida, reconciliada e preparada para o Grande Encontro com a Fonte de toda vida e de toda a felicidade.

 

Empresa Acreditada:

Joint Commission International (JCI)

Empresa afiliada:

Associação Nacional de Hospitais Privados Anahp

Empresa afiliada:

Nead

NEWSLETTER
ONDE ESTAMOS
SALVADOR - BA
Av. Dom João VI, 152, Brotas, CEP: 40.285.001
Salvador - Bahia - Brasil
71 3277 8004
ARACAJU - SE
Rua Itabaiana, 952, São José, CEP: 49.015.110
Aracaju - Sergipe - Brasil
79 3712 7904
BRASÍLIA - DF
SHN Quadra 02, nº 87, Bloco F, Sala 818
Ed. Executive Office Tower – Asa Norte, CEP: 70.702.000
Brasília - Distrito Federal - Brasil
61 3771 5490
© Todos os Direitos Reservados - S.O.S VIDA