fbpx Gripe, Resfriado e Covid-19: Sintomas e Cuidados | Matheus Todt | S.O.S Vida - Inovando em Saúde
Conheça a S.O.S Vida
Apresentação / Vídeo Institucional Nossa Equipe Núcleo Científico Conceito Linhas de Pesquisa Orientação para Pesquisadores Produções Prata da Casa Artigos / Estudos Certificação de Qualidade
Home Care
O que é Home Care Fluxograma do Home Care Vantagens do Home Care Legislação Acreditação Perguntas Frequentes
Saiba Mais
Artigos Dicas Informativos Notícias
Contato
Ouvidoria Trabalhe Conosco Contato
17 JUL 2020

Por uma questão metodológica e científica não devemos esperar uma vacina contra a COVID-19 para este ano. Quem afirma é o infectologista da filial da S.O.S. Vida em Aracaju, Dr. Matheus Todt, que participou nesta quinta-feira (16/07) da quarta live da Semana do Cuidado da S.O.S. Vida.

Em sua argumentação, o médico disse que só é possível determinar o tempo de duração de uma vacina vendo o efeito dos testes nos participantes.

“Não temos como dizer que uma vacina vai durar um ano se o paciente não for observado durante esse mesmo período”.

Assista a palesta completa: Gripe, Resfriado e Covid-19: Sintomas e Cuidados

Infecções respiratórias

O tema da palestra do médico foi “Gripe, resfriado e Covid-19: sintomas e cuidados”. Ele começou abordando as Infecções das Vias Aéreas Superiores (IVAS), muito comuns no inverno, sendo as principais a rinofaringite, a otite, a faringite, a amigdalite e a rinossinusite, todas agudas. Abordou a diferença entre gripe e resfriado comum antes de falar da COVID-19.

“O novo coronavírus tem um comportamento mutante, portanto o paciente pode apresentar sintomas mais leves do que um resfriado comum e ainda assim estar contaminado”.

O novo Coronavírus e a Covid-19

Depois passou a falar sobre o que se sabe até aqui desse novo vírus. Lembrou que o nome vem de sua composição molecular, já que ele tem uma coroa de receptores em sua superfície. É um vírus antigo, que foi isolado na década de 1960 e até pouco tempo era pouco patogênico, ou seja, causava poucas doenças. Só que ele foi sofrendo mutações e nos anos 2000 essas alterações passaram a representar perigo para os infectados, matando inicialmente cerca de 10% das pessoas que o contraiam.

Essa epidemia na China foi controlada e passamos cerca de 10 anos sem casos significativos. Até que em 2012 ocorreu outro surto, na própria China e Arábia Saudita, causando a morte de cerca de 35% dos infectados.  “Ou seja, como o ciclo de mutação dele ocorre em intervalos de 10 anos, em 2030 podemos outra epidemia, podendo ser mais ou menos infectivo”.

A China, por sua alta densidade populacional, foi mais uma vez o cenário onde apareceu esse novo coronavírus. “A letalidade é baixa (menos de 5%), porém a capacidade de ele infectar é enorme”, lembrou o especialista, ressaltando que já são mais de 10 milhões de casos no mundo.

Estágios da Covid-19

Sobre os estágios da doença, o médico ressaltou que a maioria dos infectados apresenta sintomas leves (80%) ou são assintomáticos na primeira etapa.

“O diferencial está nas fases seguintes, pois a partir do sétimo dia o paciente pode entrar na fase pulmonar, na qual praticamente são existe mais vírus, apenas inflamação”.

Caso o paciente evolua para a fase três, que representa 5% dos casos (geralmente com indivíduos idosos), temos uma “tempestade inflamatória” com grande repercussão no quadro geral. O médico disse que nesse caso, a maioria vai precisar de UTI e ventilação mecânica.

O infectologista citou os principais sintomas da doença: febre (88,5%), tosse (68,6%) e fadiga (35,8%), que podem ser confundidos com gripe ou mesmo com uma virose comum.

Citou o protocolo do Ministério da Saúde para o diagnóstico da COVID-19: todo indivíduo que apresentar febre e mais um outro sintoma (como tosse, dor de garganta, coriza e dificuldade respiratória) deve ser considerado um caso suspeito.

Medicações e Tratamentos

Sobre o tratamento, reforçou que não existe ainda medicamento específico para a doença. Disse que a Cloroquina e a Hidroxicloroquina, assim como Azitromicina, Ivermectina e antirretrovirais não devem ser usados, segundo recomendações de diversas entidades médicas brasileiras.

“Somente os glicocorticoides devem ser usados e mesmo assim em casos críticos, em pacientes hospitalizados e que precisam de oxigênio”.

Destacou que a medida mais indicada é impedir que as pessoas adoeçam ao mesmo tempo para não sobrecarregar o sistema público de saúde e citou as principais medidas de prevenção conhecidas de todos: higiene frequente das  mãos, limpar objetos e superfícies com álcool a 70%, isolamento social, uso da máscara e evitar tocar olhos, nariz e boca.

Ao final, respondeu perguntas dos internautas, uma delas foi sobre o uso correto e armazenamento da máscara. O médico lembrou que todo EPI (Equipamento de Proteção Individual) é sujeito a contaminação.

“O ideal é que, se for uma máscara cirúrgica, seja trocada a cada quatro horas ou até ela ficar saturada”.

Sobre a máscara de tecido, ela deve ser acondicionada em um saco plástico, que precisa ser fechado até ela ser lavada. Além disso, o usuário deve evitar tocar na máscara em contato com a face e sempre usar álcool em gel após manipular o EPI, pois ele pode estar contaminado com o vírus.

Leia também: Infectologistas contraindicam uso da Ivermectina ou outros medicamentos para combater Covid-19

Semana do Cuidado na Atenção Domiciliar

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é semana-cuidado-atencao-domiciliar-1-1024x395.jpg

A pandemia traz reflexos significativos na saúde da população, não só pelo risco de contrair o novo Coronavírus, mas também pelo impacto na saúde mental, desequilíbrio na alimentação, redução nas atividades físicas e dificuldade em tratar outras doenças por conta do risco de buscar atendimento nos hospitais.

Diante desse cenário, manter uma dieta e hábitos saudáveis, redobrar os cuidados com a saúde física e mental e adotar medidas de prevenção são fundamentais.

Pensando nisso, a S.O.S. Vida promoveu a Semana do Cuidado na Atenção Domiciliar, com a realização de palestras transmitidas ao vivo pelo Youtube e Facebook.  A iniciativa reuniu profissionais da empresa para falar de sintomas e cuidados com a Covid-19, hábitos e alimentação saudável e saúde mental.

Confira aos vídeos da Semana do Cuidado.

[Segunda] “O que sabemos sobre a Covid-19” – Monique Lírio, infectologista

[Terça] “Cuide de sua Saúde Mental” – Cláudia Cruz, psicóloga

[Quarta] “Fortalecendo a imunidade” – Edneuza Nascimento e Ana Rosa Humia, nutricionista e médica da família

[Quinta] “Gripe, Resfriado e Covid-19: Sintomas e Cuidados” – Matheus Todt, infectologista

[Sexta] “Como estamos lidando com as emoções” – Sônia Cotrim, psicóloga

Empresa Acreditada:

Joint Commission International (JCI)

NEWSLETTER
ONDE ESTAMOS
SALVADOR - BA
Av. Dom João VI, 152, Brotas, CEP: 40.285.001
Salvador - Bahia - Brasil
71 3277 8004
ARACAJU - SE
Rua Itabaiana, 952, São José, CEP: 49.015.110
Aracaju - Sergipe - Brasil
79 3712 7904
BRASÍLIA - DF
SHN Quadra 02, nº 87, Bloco F, Sala 818
Ed. Executive Office Tower – Asa Norte, CEP: 70.702.000
Brasília - Distrito Federal - Brasil
61 3771 5490
© Todos os Direitos Reservados - S.O.S VIDA