Conheça a S.O.S Vida
Apresentação / Vídeo Institucional Nossa Equipe Núcleo Científico Conceito Linhas de Pesquisa Orientação para Pesquisadores Produções Prata da Casa Artigos / Estudos Certificação de Qualidade
Home Care
O que é Home Care Fluxograma do Home Care Vantagens do Home Care Legislação Acreditação Perguntas Frequentes
Saiba Mais
Artigos Dicas Informativos Notícias
Contato
Ouvidoria Trabalhe Conosco Contato
22 SET 2020

Após seis meses de quarentena, muitas pessoas têm vivenciado uma espécie de fadiga do isolamento social e das medidas restritivas, necessárias para combater a pandemia da Covid-19.

Essa fadiga favorece o relaxamento das práticas dos cuidados individuais que precisaram ser adotados por todos, como lavar as mãos com mais frequência, higienizar os produtos comprados, usar a máscara e manter uma distância segura entre as pessoas.

Esse fenômeno ocorre em um momento crítico, que é o de retomadas das atividades econômicas e flexibilização das medidas restritivas. Uma das consequências desse processo é o aumento do fluxo de pessoas nas ruas e em estabelecimentos comerciais. Contudo, se as pessoas relaxarem a prática do autocuidado, existe o risco de que os casos de infecção voltem a subir e as medidas restritivas precisem ser reestabelecidas.

Em uma pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e divulgada em uma matéria da BBC, estima-se que, em alguns grupos, a fadiga da pandemia chega a 60%.

“Restrições pandêmicas impuseram dificuldades e inconveniências na vida cotidiana, e todos experimentaram algum tipo de perda – de renda ou de emprego, de progresso educacional, de estar com amigos e família, de se envolver em atividades esportivas ou da chance de participar em rituais importantes como casamentos, formaturas, funerais e muito mais. Está bem estabelecido que a pandemia e suas restrições levaram ao estresse, solidão e tédio, e tiveram um impacto negativo no bem-estar e na saúde mental de muitos” aponta um levantamento realizado pela OMS.

Confira a pesquisa na íntegra em: Pandemic fatigue – Reinvigorating the public to prevent COVID-19.

Cláudia Cruz, psicóloga da S.O.S. Vida, falou sobre as mudanças de comportamento das pessoas associadas a uma “fadiga” da quarentena.

Imediatismo x Desgaste | Rádio Sociedade

“Aquela sensação de imediatismo que tínhamos no início passou (…). Agora estamos lidando com outro processo: o processo do desgaste. Hoje estamos cansados, vemos muitos vídeos das pessoas mostrando o início da quarentena e agora; as pessoas não aguentam mais, estão desmotivadas para manter a segurança e todos os cuidados. E esse momento de reabertura da cidade, dos serviços, acaba fortalecendo essa fadiga”.

Essa mudança de comportamento das pessoas, segundo a psicóloga, se deve a diversos fatores, como cansaço, estresse crônico, diminuição da sensibilidade aos avisos de alerta e incapacidade de processar novas informações.

Ouça a entrevista completa na Rádio Sociedade

Os cuidados precisam ser incorporados à rotina

A profissional explicou que o desgaste e consequente relaxamento com as medidas de segurança, como sair de casa sem a máscara e precisar retornar para buscar, não necessariamente ocorre de forma consciente. Ela explica que o ser humano busca pelo prazer, o que torna a sustentação da privação de momentos prazerosos, por um período longo, e quando privado dele por um período muito longo.

Contudo, é importante continuar praticando o autocuidado para reduzir o risco de contaminação pela Covid-19, especialmente em um cenário de flexibilização das medidas restritivas e de mobilidade, que favorece o aumento do fluxo de pessoas nas ruas, o que eleva o risco de infecção pelo novo coronavírus.

“Incorporar os cuidados a nossa rotina pode ajudar bastante, porque quando a gente incorpora à rotina fazemos com naturalidade. Eu não fico com aquele peso, com aquela resistência porque é algo novo, que dá trabalho; é como escovar os dentes, é como tomar um banho. Tentar fazer com que a nossa rotina não seja só isso: eu preciso pensar minha vida, preciso ampliar a minha percepção, preciso fazer coisas que são interessantes, que me ajude a viver, a ter prazer”, orienta a psicóloga.

Leia também: Os impactos do distanciamento e do isolamento social na saúde mental das pessoas

A busca pelo controle

Em entrevista a Rádio Excelsior, Cláudia Cruz explica que, diante desses fatores, o cérebro passa a buscar a retomada do controle.

“O cérebro, na tentativa de evitar o colapso e retomar a sensação de controle, busca diminuir essa carga excessiva de estresse causada pelo medo, pela hipervigilância de não se contaminar; acaba relaxando os cuidados e nos deixando mais impacientes ou mais descrentes com relação à interpretação dos avisos, como sinais reais ou relevantes. Alteramos as regras ou interrompemos os comportamentos de segurança, como o uso de máscara, de higiene das mãos e o distanciamento social” explica a psicóloga.

Confira as dicas recomendadas pela psicóloga Cláudia Cruz

1. Acredite que tudo vai passar e pratique a paciência e a tolerância, pois a irritação não vai alterar o contexto que estamos vivendo.

2. Encare a realidade com seriedade, pois o perigo da doença é real. Pense nas recompensas que você ganha quando cuida de si mesmo. Isso pode ajudar.

3. Busque o autocuidado. Mantenha uma rotina saudável, com uma boa alimentação, práticas de exercícios e momentos prazerosos. Isso nos ajuda a nos sentirmos bem, a termos saúde mental. Quando nos sentimos bem, nos afastamos de sentimos como tristeza, angústia e ansiedade.

4. Transformar práticas de seguranças em hábitos, pois quando as incorporamos na nossa rotina fazemos com naturalidade, sem o peso da obrigação.

5. Compartilhar experiências com familiares e pessoas amigas. Isso nos ajuda a exercitar o sentimento de pertencimento a um grupo social, pois somos seres sociais. Além disso, nos sentimos menos solitários e podemos aprender com a experiência do outro.

6. Busque ajuda profissional quando faltam recursos internos para enfrentar as dificuldades. Existem serviços que estão sendo disponibilizados à população de forma gratuita, para atender as demandas geradas pela pandemia.

Leia também: “Fadiga da quarentena” pode reduzir cuidados de prevenção e reduzir isolamento social

Ouça a entrevista completa na Rádio Excelsior

Cenário da Saúde Hoje

A fadiga da quarentena foi um dos assuntos discutidos no webinar “Cenário da Saúde Hoje” com a participação dos médicos Marta Simone, gerente da S.O.S. Vida (SE), Leonardo Baumworcel, diretor técnico do Hospital São Lucas (SE) e Guilherme Espírito Santo, superintendente assistencial da Rede Primavera Saúde (SE).

O evento foi mediado pela gerente de relacionamento com o mercado da S.O.S. Vida, Fernanda Gama, e transmitido ao vivo no YouTube e Facebook.

Assista ao vídeo do debate completo.

Empresa Acreditada:

Joint Commission International (JCI)

Empresa afiliada:

Associação Nacional de Hospitais Privados Anahp

NEWSLETTER
ONDE ESTAMOS
SALVADOR - BA
Av. Dom João VI, 152, Brotas, CEP: 40.285.001
Salvador - Bahia - Brasil
71 3277 8004
ARACAJU - SE
Rua Itabaiana, 952, São José, CEP: 49.015.110
Aracaju - Sergipe - Brasil
79 3712 7904
BRASÍLIA - DF
SHN Quadra 02, nº 87, Bloco F, Sala 818
Ed. Executive Office Tower – Asa Norte, CEP: 70.702.000
Brasília - Distrito Federal - Brasil
61 3771 5490
© Todos os Direitos Reservados - S.O.S VIDA