fbpx Desprescrição racionaliza uso de medicamentos e aumenta a segurança dos pacientes | S.O.S Vida - Inovando em Saúde
Conheça a S.O.S Vida
Apresentação / Vídeo Institucional Nossa Equipe Núcleo Científico Conceito Linhas de Pesquisa Orientação para Pesquisadores Produções Prata da Casa Artigos / Estudos Certificação de Qualidade
Home Care
O que é Home Care Fluxograma do Home Care Vantagens do Home Care Legislação Acreditação Perguntas Frequentes
Saiba Mais
Artigos Dicas Informativos Notícias
Contato
Ouvidoria Trabalhe Conosco Contato
06 AGO 2020

Prática comum em países europeus e no Canadá, a estratégia de desprescrição se intensifica na S.O.S. Vida para racionalizar os medicamentos e aumentar a segurança dos pacientes.

Com a pandemia da Covid-19 e a dificuldade de importação de insumos por parte da indústria farmacêutica, essa metodologia se tornou ainda mais importante, ganhando a adesão de médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde da empresa.

Conforme explica a farmacêutica da S.O.S. Vida em Aracaju, Tâmara Natasha Gonzaga de Andrade, a ideia surgiu durante o processo de revisão da padronização de medicamentos e implementação dos serviços clínicos farmacêuticos, em decorrência da Acreditação.

“Percebemos a necessidade de desprescrever alguns itens que não apresentavam benefícios em determinadas situações ou interações medicamentosas relevantes”.

Tâmara Andrade, farmacêutica

Tâmara explica que a desprescrição tem três objetivos básicos, sendo o primeiro deles a segurança no uso dos medicamentos. Visa ainda melhorar a qualidade de vida dos pacientes e por último a redução de custo com o uso mais racional dos itens.

Implantado a metodologia

Foi feita uma reunião com a equipe de médicos e enfermeiros da S.O.S. Vida de Salvador, Aracaju e Brasília e explicada a metodologia. Uma ferramenta elaborada vai emitir um relatório para identificar os medicamentos/materiais em duplicidade ou usados por um tempo muito longo.

“Alinhamos com o médico visitador e o médico da base para que eles avaliem, dentro do próprio sistema, se o medicamento será descontinuado ou não”, destaca a farmacêutica.  

Tâmara lembra que esse processo é individualizado e cada desprescrição vai ser feita de acordo com a necessidade do paciente.

“O médico que está mais em contato com o paciente vai poder validar se existe a possibilidade de retirar algum medicamento da prescrição”.

Automação da farmácia

A farmacêutica ressalta que a receptividade do corpo clínico foi muito boa. “Todos querem o melhor para o paciente, para que ele utilize o medicamento certo na dose certa, na quantidade certa com um custo otimizado”, lembra Tâmara, reforçando que para o uso racional dos medicamentos é imprescindível a colaboração entre farmacêutico, médico, enfermeiros e demais profissionais de saúde que participam da assistência aos pacientes.

Tâmara cita como exemplo a classe de medicamentos chamada de inibidores de bomba de prótons (IBPs), usados para tratar problemas como azia e úlceras estomacais, como omeprazol e pantoprazol. A depender do paciente, ele pode precisar desse medicamento por um longo período. No entanto, em determinadas situações será necessário a utilização por curto período de tempo. Quando a razão para continuar o uso não é clara, o risco de efeitos colaterais pode superar a chance de benefício. “A partir daí, já podemos pensar na retirada do item”, diz a especialista.

Por fim, a farmacêutica ressalta que a desprescrição é parte de uma boa prescrição, pois em diversas situações é preciso recuar quando as doses são muito altas ou interromper os medicamentos que não são mais necessários.

Reforço na filosofia de trabalho

De acordo com a coordenadora da área de suprimentos e logística da S.O.S. Vida, Arauna Itaicy, a desprescrição é uma estratégia bem-vinda para reforçar o trabalho que a empresa já faz no uso racional dos insumos. “Nesse momento de pandemia tem sido fundamental, pois é uma forma de sensibilizar a classe médica para o tema”.

Arauna destaca que os médicos da empresa foram bem receptivos à iniciativa, mas ressalta que é um grande desafio, pois envolve uma mudança de cultura relacionada à prescrição. A coordenadora destaca que a nova prática traz resultados de valor para o paciente e evita o desperdício, pois são menos itens a dispensar e também a devolver.

Na visão de Arauna há também um ganho de produtividade e eficiência em toda a cadeia, gerando maior qualidade, bem-estar e segurança ao paciente.

Leia também: Desafios da Pandemia no abastecimento de insumos farmacêuticos | Anahp
Empresa Acreditada:

Joint Commission International (JCI)

NEWSLETTER
ONDE ESTAMOS
SALVADOR - BA
Av. Dom João VI, 152, Brotas, CEP: 40.285.001
Salvador - Bahia - Brasil
71 3277 8004
ARACAJU - SE
Rua Itabaiana, 952, São José, CEP: 49.015.110
Aracaju - Sergipe - Brasil
79 3712 7904
BRASÍLIA - DF
SHN Quadra 02, nº 87, Bloco F, Sala 818
Ed. Executive Office Tower – Asa Norte, CEP: 70.702.000
Brasília - Distrito Federal - Brasil
61 3771 5490
© Todos os Direitos Reservados - S.O.S VIDA