fbpx Covid-19: Vacinação e festas de fim de ano | S.O.S Vida - Inovando em Saúde
Conheça a S.O.S Vida
Apresentação / Vídeo Institucional Nossa Equipe Núcleo Científico Conceito Linhas de Pesquisa Orientação para Pesquisadores Produções Prata da Casa Artigos / Estudos Certificação de Qualidade
Home Care
O que é Home Care Fluxograma do Home Care Vantagens do Home Care Legislação Acreditação Perguntas Frequentes
Saiba Mais
Artigos Dicas Informativos Notícias
Contato
Ouvidoria Trabalhe Conosco Contato
18 DEZ 2020

As festas de final de ano estão chegando e muita gente gosta de manter a tradição de reunir a família para celebrar o Natal e o Réveillon.

Segundo o infectologista da S.O.S. Vida em Sergipe Matheus Todt, esses encontros devem ser evitados para evitar a proliferação do novo coronavírus, sobretudo entre pessoas idosas e com comorbidades.

O médico foi entrevistado ao vivo pela TV Atalaia, de Sergipe, e abordou diversos temas relacionados à pandemia.

Assista à entrevista completa com Matheus Todt.

“Tem que ser um Natal e um Réveillon diferentes, pois estamos com a pandemia em alta. Cansamos do vírus, mas ele não cansou da gente”, alerta o infectologista.

“Não é momento de sentar à mesa com parentes mais velhos e sem máscara dentro de casa”. Para o infectologista, devemos limitar essas reuniões familiares, mesmo isso não sendo habitual.  “Esse é o momento de pensar no próximo”.

Perguntado sobre o plano nacional de imunização contra a COVID-19, anunciado para fevereiro de 2021, o infectologista lamentou o atraso do Brasil, considerando que outros países como Reino Unido e Estados Unidos já iniciaram a vacinação e outros começam em janeiro.

“Infelizmente perdemos um pouco de tempo”, disse o especialista, acrescentando que estamos na iminência de uma segunda onda de contaminação maior do que a primeira.

Dr. Matheus Todt lembrou ainda que o início da vacinação não vai significar o fim da pandemia. “Isso pode levar meses, até que um determinado percentual da população seja vacinado”

O infectologista lembrou que a vacinação é só o início da resolução do problema, pois iremos enfrentar ainda um aumento no número de casos, pelo menos durante o primeiro semestre do próximo ano.

Sobre a ampliação dos grupos prioritários para receber a vacina, como quilombolas e presidiários, o médico disse que a medida é correta. Vacinar a população carcerária, por exemplo, é importante para evitar surtos nos presídios, afirmou o infectologista.

Leia também: Jovens podem ser vetores de transmissão do coronavírus

Vacinação contra a Covid-19

Iniciada em janeiro de 2021, a vacinação contra Covid-19 está em curso em todos os estados brasileiros, o que é um importante passo para o enfrentamento da pandemia causada pelo novo coronavírus.

Para que se possa sair do cenário que só se agrava no País desde março de 2020, é preciso ter a consciência de que o início da vacinação é apenas o passo de um longo caminho.

Naturalmente, várias dúvidas sobre a vacina surgiram. Os infectologistas Monique Lírio e Matheus Todt ajudaram a esclarecer os principais pontos sobre o tema. Confira a matéria: Covid-19 – tire suas dúvidas sobre a vacinação

Empresa Acreditada:

Joint Commission International (JCI)

NEWSLETTER
ONDE ESTAMOS
SALVADOR - BA
Av. Dom João VI, 152, Brotas, CEP: 40.285.001
Salvador - Bahia - Brasil
71 3277 8004
ARACAJU - SE
Rua Itabaiana, 952, São José, CEP: 49.015.110
Aracaju - Sergipe - Brasil
79 3712 7904
BRASÍLIA - DF
SHN Quadra 02, nº 87, Bloco F, Sala 820
Ed. Executive Office Tower – Asa Norte, CEP: 70.702.000
Brasília - Distrito Federal - Brasil
61 3771 5490
© Todos os Direitos Reservados - S.O.S VIDA